28 novembro 2009

Brasília Futebol Clube






O Brasília Futebol Clube (fundado como Brasília Esporte Clube) é um clube da região administrativa de Brasília, no Distrito Federal, fundado em 2 de junho do ano de 1975 e é geralmente conhecido pela alcunha de Colorado. Além de ser o segundo time com mais títulos locais tem também o maior número de participações em campeonatos Brasileiros para um time do Distrito Federal, com 8 participações (contando com a Copa João Havelange em 2000)

Em 1969, a Associação Comercial do DF (ACDF) planejava fundar um time de futebol, vendo anteriormente o sucesso de clubes amadores, como o Defelê (Departamento de Força e Luz), que se destacavam no Distrito Federal. Como, pouco depois, surgira o Ceub, dentro de uma faculdade com o mesmo nome e logo se profissionalizando, a entidade preferiu esperar. Como a iniciativa ceubense deu certo, no dia 2 de junho de 1975, liderados por José da Silva Neto e Vicente de Paula Rodrigues, os empresários se reuniram na sede da ACDF, aprovaram o estatuto e elegeram Silva Neto como presidente do Brasília Esporte Clube, cujas cores vermelha e branca foram sugestões do dentista Mário Trigo, em homenagem ao América Futebol Clube do Rio de Janeiro, time que se destacava na época nacionalmente e no Rio de Janeiro.

Fundado o clube, o treinador Cláudio Garcia, ex-jogador do Fluminense, e o preparador físico Caranambu Bessa, fizeram uma peneira que atraiu 600 candidatos e selecionou 15, entre eles os zagueiros Jonas Foca, que ganharia oito títulos pelo clube, e Luis Carlos Teixeira, futuramente do Cruzeiro e do Vasco. No mesmo ano, o Brasília venceu o Torneio Incentivo, paralelo ao Campeonato Nacional, disputado contra Campineira e Humaitá, do qual o capitão e zagueiro Pedro Pradera (ex-Ceub, ABC de Natal e Portuguesa-SP), levantou o troféu entregue pelo então governador do Distrito Federal, Elmo Serejo Farias.

Taça na prateleira, o Brasília fez o seu primeiro amistoso interestadual, vencendo o Fluminense de Araguari, no Estádio Mané Garrincha, por 3 x 1, e, pouco depois o seu primeiro grande jogo, perdendo, por 1 x 0 do Flamengo.

O ato seguinte foi o Torneio Imprensa, em 1976, contra Ceub, Taguatinga, Gama, Grêmio Brasiliense e Humaitá, ficando em terceiro lugar. Nessa disputa, esperava-se que surgisse o futuro grande clássico candango, Brasília x Ceub, mas quando os dois se pegaram, não saíram do 0 x 0.

Iniciado o Campeonato Brasiliense de 1976, o título valeria vaga no Campeonato Nacional. O Ceub ganhou o primeiro turno (Taça Brasília) e o segundo foi interrompido para se disputar um quadrangular que indicaria o representante do DF na disputa. Mas o que pintou foram liminares de todos os lados, culminando com o Ceub abandonando o futebol profissional. O Grêmio Brasiliense também se esfacelou, o Taguatinga emprestou o grande ídolo da torcida brasiliense,Ernani Banana, ao Vasco, e tudo ficou favorável ao Brasília, que terminou campeão, numa final contra o Humaitá. Treinado por Velha, o time do título foi Norberto; Terezo, Luis Carlos Teixeira, Sousa (ex-Cruzeiro) e Odair Galetti; Well, Raimundinho "Baianinho" e Rogério Bayer; Humberto "Banga", Roberto (ex-Clube do Remo) e Duda.

Após ter ganho o título em 1976, o Brasília disputou o campeonato local de 1977. Ao fim da primeira fase venceu os 10 jogos disputados no campeonato e classificou-se em primeiro lugar para a segunda fase que seria disputada também por Taguatinga, Desportiva Bandeirante e Canarinho. Na fase final acabou dando Brasília após o empate em 1 x 1 com a Desportiva Bandeirante em casa, se sagrando campeão invicto no torneio.

No mesmo ano o Brasília disputaria seu primeiro Campeonato Brasileiro, fazendo a sua estréia na derrota de 1 x 0 no Pelezão para o Botafogo. O time se classificou em quarto para a segunda fase, grande feito para um clube brasiliense. Na segunda fase o Brasília entrou em um grupo muito forte, sendo o último colocado entre os 5 times, não conquistando nenhum ponto nos 4 jogos disputados. O time que encantou o Distrito Federal tinha como grande destaque Ernani Banana, um dos maiores ídolos do futebol brasiliense.

Em 1978 o Brasília conquistou o inédito tri-campeonato de Brasília em cima do tradicional Taguatinga.

Na Série A mesmo com o time perdendo de 4 x 0 pro Goiás, o colorado conseguiu se classificar para a segunda fase, alegrando seus torcedores e a população do Distrito Federal.
Durante a segunda fase trouxe grandes times para Brasília, mas também foi só, já que o time ficou na lanterna do seu grupo.

Em 1979 o Brasília tinha um bom elenco e conseguiu chegar a final como candidato ao título, mas não conseguiu o tetracampeonato, já que o Brasília perdeu a final para o Gama diante de um Pelezão lotado por 2 x 1.
O time disputou o Campeonato Brasileiro, mas fez uma péssima campanha e não obteve a sonhada classificação para a segunda fase.

Num jogo que o Flamengo foi fazer com o Brasília, em 1979, Zico lembrou aos dirigentes do adversário que seu irmão Edu estava à disposição, embora de contrato assinado com o Campo Grande (MS). Padrinho forte é outra coisa: o Brasília pagou 250 mil cruzeiros pelo passe de Edu, que pegou 100 mil de luvas e mais 20 mil mensais de salário. Até então, o futebol brasiliense não conhecia transação que envolvesse tanto dinheiro.


Em 1980 o time colorado voltou a vencer o Candangão e em 1981 o time disputou novamente o campeonato Brasileiro e mesmo sem fazer uma boa campanha conseguiu uma grande façanha: derrotou o Grêmio em pleno Olímpico por 2 x 1.

Resumo da partida no Correio Braziliense:

Correio Braziliense - 16 de fevereiro de 1981

Esportes – Página 7

Brasília derruba o Grêmio no Olímpico

O “Colorado” jogou como se estivesse decidindo a Copa Brasil e mandou gaúchos pro vinagre

Surpreendente sob todos os aspectos foi a derrota do Grêmio para o Brasília por 2 a 1 no Estádio Olímpico, em Porto Alegre, pelo Grupo B da Taça de Ouro do Campeonato Brasileiro. A torcida do Grêmio saiu do seu estádio sem entender a derrota, pois há 14 jogos que o campeão gaúcho não perdia no Olímpico.

Tudo parecia que o Grêmio chegaria facilmente à vitória, pois marcou primeiro. Logo a 1 minuto e 40 segundos do primeiro tempo, Tarcísio fez o gol do Grêmio. A reação do Brasília veio ainda na fase inicial. Aluísio, aos 23, e Vander, aos 25 minutos, marcaram os gols do Brasília.

O árbitro Iolando Rodrigues teve uma boa atuação, inclusive na marcação de impedimento de Dirceu, anulando um gol do Grêmio, aos 39 minutos do segundo tempo.

Grêmio – Leão; Uchoa, Vantuir, De Leon e Dirceu; China, Paulo Isidoro e Renato Sá (Vilson Tadei); Tarcísio, Baltazar (Éber) e Odair

Brasília – Déo; Luisinho, Mário, Foca e Zé Mário (Ricardo); Alencar, Marco Antonio e Vander; William, Afonso e Aluísio (Paulinho)

Em 1982, 1983 e 1984 o Brasília venceu o campeonato local em cima do Guará e Sobradinho respectivamente e disputando o campeonato nacional, mas fazendo campanhas fraquíssimas nesses anos.


Brasília campeão 1982


Em 1987 o Brasília venceu a fase decisiva do candangão e acabou conquistando o seu oitavo título na capital federal.


Brasília campeão do DF em 1987
Ao fundo o estádio Pelezão

Os anos 90 foram marcados como o início do declínio do Brasília Esporte Clube. Campanhas fracas (as melhores foram no vice campeonato em 1995 e em 1997, perdendo o troféu para o Gama), falta de patrocínios, administrações fracas.


Brasília jogando de amarelo e azul


Em 1999, aproveitando a Lei Pelé, tornou-se o primeiro clube-empresa totalmente privado do Brasil. Comandado pelo médico veterinário aposentado Ênio Marques, um grupo de oito sócios fundou a empresa Brasília Promoções e Participações Desportivas S/A e comprou, por preço simbólico, o departamento de futebol do Brasília Esporte Clube mudando seu nome para Brasília Futebol Clube passando a deter os direitos sobre a marca Brasília para clube de futebol. Entre outros pontos, queriam fazer intercâmbio com clubes brasileiros e estrangeiros e a construção de um centro de treinamento atrás do Mané Garrincha. As cores tradicionais vermelha e branca foram trocadas pelo verde, amarelo e azul, para ter uma identidade maior com o Brasil. Em 2000 o clube passou a treinar na UnB. Toda essa estrutura deixou o clube com uma folha de pagamento em torno de R$ 50 mil por mês. Para segurar um folha tão alta, os dirigentes contavam com o acerto de parcerias, o que não aconteceu. Com uma receita baseada apenas na cota de cerca de R$ 10 mil mensais repassados pela FM, fruto de um convênio com o GDF, os planos não deram certo .O clube acabou tendo dívidas com a UnB, jogadores e comissão técnica. Em 2001, a situação piorou. O clube disputou o estadual com uma equipe modesta e rebaixou.
Assim, pela primeira vez o Brasília disputava a Segunda Divisão Estadual. Transformado em clube-empresa em dezembro de 1999, sob a responsabilidade de oito sócios, estava praticamente abandonado. Com a corda no pescoço, os cartolas resolveram cortar despesas. O clube passou a ser um time de aluguel, com toda a estrutura bancada pelo Gama. O elenco na Segunda Divisão foi formado por juniores do Gama, em preparação para a Copa São Paulo de Futebol Junior no ano 2002. O presidente do Gama Wagner Marques, ex-presidente do próprio Brasíia assumiu os custos e inclusive trocou as cores do clube. Sumiram o azul e amarelo e ressurgiram o vermelho e o branco do Brasília dos tempos aúreos. A parceria surtiu efeito e o clube conseguiu reerguer-se e conquistar a Segunda Divisão estadual em 2001 pra cima do CFZ, eliminando impiedosamente nas semifinais o Ceilandense.

Mas as coisas não mudaram muito. Em 2002 o time voltou ao campeonato local, mas acabou por fazer novamente uma campanha muito fraca, ficando na lanterna da competição.
Graças ao regularmento disputou a segundona no mesmo ano em que rebaixou, e começou até bem a competição, mas no hexagonal final acabou ficando na lanterna e não conseguindo retornar a elite distrital.

Em 2003 o time conseguiu chegar às semifinais do torneio, mas acabou eliminado pelo Paranoá, e a partir daí o Brasília mostrava todos os sinais de fraqueza, e esquecido pela mídia, parecia que iria ter um fim melancólico, já que ficou afastado das competições no ano de 2005, voltando em 2006 disputando a terceira divisão do DF, mas perdendo a final para o Legião.

Em 2007 o time vai bem na terceirona, e mesmo perdendo a decisão pro Santa Maria por 3 x 1 consegue a vaga no segundo escalão candango, já que no ano dois clubes eram promovidos.


Brasília x Luziânia pela segundona brasiliense 2008
Créditos: Raul Martins Dias

No ano de 2008 o time fez bonito na segundona e acabou por liderar a primeira fase do torneio. O colorado pegou o Cruzeiro e após vencer no Mané Garrincha por 3 x 0 garantiu o acesso a elite do Distrito Federal após 6 anos longe, merecido para um time de tanta tradição e glórias como o Brasília.


Cruzeiro 2 x 2 Brasília pelas semifinais da segunda divisão no Ninho do Carcará
Créditos: Raul Martins Dias


Na final o Brasília duelou contra o Luziânia. Em jogo único disputado no Mané Garrincha, casa do time de melhor campanha, o Brasília venceu a partida por 2 x 1, se sagrando pelas segunda vez campeão.
Devemos destacar também o bom trabalho feito pela direção do clube comandada por Roberto Marques, que fez com que o clube voltasse a elite do DF.


Brasília Campeão


Na volta à elite do Distrito Federal o Brasília acabou mantendo destaques da conquista do ano anterior e teve uma novidade: mandou suas partidas no estádio do CAVE, que fica no Guará. O Colorado acabou perdendo a partida por 1 x 0 para o Dom Pedro no acanhado estádio da Metropolitana. Mas o time foi subindo de produção e ao fim da primeira fase acabou ficando na terceira posição e classificando-se para o quadrangular semifinal.


Brasília x Legião

No quadrangular o time começou mal, mas após vencer o Dom Pedro por 3 x 1 na Metropolitana e ver o Gama empatar em 1 x 1 com o Brasiliense no Serejão o time colorado acabou chegando na final, uma surpresa para muitas pessoas, que apostavam em uma final com Gama e Brasiliense.
O primeiro jogo da decisão foi disputado no CAVE, que recebeu um grande público, sendo mais de 3500 pagantes, com Chefe abrindo o placar para os donos da casa com um bom arremate de longe, mas o time colorado tomou a virada com gol do zagueiro Cris e do meia Rodriguinho para o Jacaré taguatinguense.

Brasília 1 x 2 Brasiliense pela final do Candangão


No segundo jogo da final o Brasília perdeu por 2 x 0 no Serejão e deu adeus ao título do Distrito Federal, mas foi uma campanha de respeito para um time que acabara de sair das divisões inferiores do DF, e claro, após 12 anos sem disputar uma final de campeonato brasiliense da elite, fora que o time garantiu vaga na Copa do Brasil de 2010 e na recém-criada Série D 2009.



Brasília no Candangão

O Brasília após anos disputaria uma competição nacional, a Série D e o representante da capital federal caiu no grupo 8 junto com Araguaia-MT, CRAC e Anapolina de Goiás.
Na última rodada o time conseguiu a classificação heróica, ao empatar em 2 x 2 com o CRAC em Catalão.



Brasília 3 x 2 Uberaba pela segunda fase do torneio

Na segunda fase o Brasília pegou o Uberaba, acabou vencendo em um jogo emocionante no Bezerrão por 3 x 2, mas acabou perdendo por 2 x 0 no Uberabão e foi eliminado da competição, não conseguindo chegar perto do acesso à terceira divisão brasileira.

Em 2010 o Brasília fez uma campanha muito irregular no Candangão, mas mesmo perdendo para o Ceilândia por 2 x 1 no CAVE, acabou se mantendo na elite brasiliense. Na Copa do Brasil enfrentou o Sport, mas acabou eliminado ainda no primeiro jogo, perdendo de 4 x 2 no Serejão.

No Candangão fez uma campanha fraca, se salvando do rebaixamento por causa de uma derrota do Dom Pedro.



Escudos Antigos





Mascote

Avião


Estádio Antigo




Estádio Pelezão

Nome: Estádio Édson Arantes do Nascimento
Local: Brasília/DF
Capacidade: 20 mil
Inauguração: 31/03/1966
Jogo inaugural: Vasco da Gama 2 x 1 Flamengo
Primeiro gol: Célio, do Vasco da Gama
Desativação: 2004
Propriedade:
Recorde: 47.531 Pagantes - Brasília 0 x 2 Flamengo em 2 de Fevereiro de 1984

Obs: Édson Arantes do Nascimento, o Pelé, maior jogador de futebol em todos os tempos.




Estádio Atual



Mané Garrincha

Nome: Estádio Mané Garrincha
Local: Brasília/DF
Capacidade: 45.200
Inauguração: 10/03/1978
Jogo de inauguração: CEUB 1 X 2 Corinthians
Primeiro Gol: Vaguinho, do Corinthians
Recorde de público: 51000 - Gama 3 x 0 Londrina - 20 de dezembro de 1998
Propriedade: Departamento de esportes, Ed. física e Recreação do Distrito Federal
Obs: O estádio é uma homenagem a Mané Garrincha, ídolo do futebol brasileiro e do Botafogo.

Hino do Brasília


Autor: José Wilson Dias Costa

Avante, Brasília, avante !
Todos gritam por você
Como um sol irradiante
Ei de tê-lo até morrer
Sua garra exubarante
Num magnífico explendor
Me deixa muito contente
Colorado meu grande amor

Brasília, Brasília
Você é o maior em tradição
Brasília, Brasília
Sempre será o eterno campeão
Brasília, Brasília
Eu sempre lhe amei
Brasília, Brasília
Colorado sempre serei

Link: http://www.youtube.com/watch?v=GgOByZjRZSA



2 comentários:

  1. EU Ramilsom Martins, Feliz de ver o BRASILIA FC, clube que participei da fundação como Jogador ponta esquerda, uma peneira de 600 atletas e o Treinador Claudio Garcia selecionou uns 9 jogadores.
    Estive no inicio do BEC em 1976, com os amigos BANGA, MÃO DE ONÇA, TERESO, LUIZ CARLOS, BAIANINHO, ODAIR, PEDRO PRADERA, RAIMUNDINHO, LINDÁRIO, NEI, ERCI, OSMAR, LENILSON, PROF. BESSA e Presidente Silva Neto. Tiramos o CEUB, FLAMENGO FEV 1976 2XI Mane Garrinha Lotado. ganhamos título. Fico feliz de participar da historia. tenho lindas fotos. Abraço a todos amigos Ramilsom Martins 99770304

    ResponderExcluir
  2. Olá,meu nome é Mykael e queria saber como faço para fazer um teste no Brasília,a um mês um cara que dizia ser treinador me chamou mais eu perdi o número dele e agora estou interessado,tenho 18 anos e sou atacante(ponta esquerda),tem como vocês entrar em contato ? meu e-mail é mykael.10@hotmail.com !obrigado.

    ResponderExcluir

Seguidores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *